Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Novembro, 2005

Zombies em Lisboa


É já nos próximos dias 25 e 26 de Novembro (6ª e Sábado) que o CTLX traz a Lisboa, no âmbito do “FIM-DE-SEMANA TERROR UK”, o filme-sensação de zombies em 2004, “o mais divertido do ano” segundo Peter Jackson e “destinado a tornar-se um fenómeno de culto” segundo Stephen King.

SHAUN OF THE DEAD, apadrinhado pelo mestre George Romero, narra a história de Shaun (anti-herói trágico) no dia em que decide mudar de vida e numa epopeia épica, e em contra-relógio, enfrenta hordes de zombies para reconquistar a namorada.
Filme homenagem à trilogia DEAD de Romero, esta comédia revela o culto oculto do cinema de género por duas figuras de proa da nova comédia britânica: Simon Pegg e Edward Wright.

Em complemento será apresentado a curta-metragem TEA BREAK (2004), de Sam Walker, vencedor do Mélies de Prata da XV Semana de Cinema Fantástico e de Terror de San Sebastian.

Obrigatório.

Sessões únicas, às 00h00, esta 6ªf e Sábado, no cinema King em Lisboa.

Advertisement

Read Full Post »


Adicionado hoje à nossa coluna direita de links, o blog Equinócio é gerido por Luísa Alves, de quem puderam ver recentemente, no Fórum Fantástico 2005, a palestra “Existe um conexão ibérica em Star Wars?”.
Tocando vários temas, muitas vezes cruzando-se com o Fantástico, constitui uma fonte de artigos bem estruturados e informativos. A acompanhar.

Read Full Post »

Graham Joyce, escritor britânico natural de uma pequena localidade de mineiros, tornou-se, na última década, uma das novas vozes emergentes da literatura fantástica. Iniciou a sua carreira de escritor em 1991, com Dreamside . Em 1992, ganhou o British Fantasy Award para melhor romance com Dark Sister , passado em Jerusalém, proeza que voltou a repetir com Requiem e The Tooth Fairy.

No entanto, foi com Facts of Life (Os Factos da Vida) que Graham Joyce viu o seu talento e carreira reconhecidos e com o qual venceu o quarto British Fantasy Award. O livro foi publicado em Abril deste ano pela Editora Bizâncio e conta a história de sete irmãs.

Joyce

Sete irmãs extraordinárias vivem juntas sob a sombra da guerra, unidas pela lealdade, pelo amor, pelo medo e pela esperança. Até que chega uma noite alucinante em que Luftwaffe arrasa Coventry. No meio das tempestades de fogo que se propagam pela cidade, a filha mais nova experimenta um despertar mágico que resultará, anos depois, no nascimento de uma criança. Após o fim da guerra, os percursos das irmãs divergem, mas permanecem atraídas por esta criança extraordinária. À medida que o rapaz cresce, as circunstâncias conspiram para pôr à prova as suas lealdades mútuas, enquanto abrem o pano dum mundo de eventos verdadeiramente espectaculares.

A Bizâncio volta a brindar-nos com novo livro do autor de nome The Limits of Enchantment (Os Limites do Encantamento), a história de uma mulher, filha adoptiva de uma feiticeira, a quem as jovens da aldeia recorrem para pedir ajuda. Quando a mãe dá entrada no hospital, a rapariga tem que aprender a cuidar de si própria e a sobreviver no mundo dos anos sessenta, com toda a sua violência, preconceito e drogas.

Ambos os livros estão já à venda e os leitores portugueses poderão agora partir à descoberta deste autor reputado dentro da ficção fantástica.

Read Full Post »


Teve inicio a 12 de Novembro, e decorrerá até dia 27, o 15º Salão Internacional de Banda Desenhada de Moura, este ano dedicado à Ficção Científica.
Para além de exposições temáticas, o Salão foi já marcado pelo lançamento de A Ficção Científica na BD Portuguesa (texto de Jorge Magalhães; edição da Câmara Municipal de Moura).

Read Full Post »

O Fim da Aventura

Gostaria de deixar aqui um comentário pessoal em relação a estes últimos dias em que decorreu o Fórum Fantástico. Não falar propriamente das comunicações, porque haverá tempo para isso, nem ainda falar em números ou ideias para o futuro, mas queria apenas agradecer a todos os que estiveram comigo e com o Rogério nesta odisseia incrível que durou 4 dias.

Foi um alívio ter terminado bem e um prazer ver o auditório, na maior parte das vezes, bem composto. Não só por aficcionados habituais que já nos habituámos a ver por estas andanças, mas também por curiosos e interessados em conhecer melhor o fantástico. Também não posso deixar de sentir alguma tristeza por ter acabado. A minha impressão foi de termos vivido brevemente numa dimensão paralela durante todo este tempo, e agora estamos de volta às nossas rotinas diárias, já desaparecida a sensação de termos vivenciado um momento especial.

Penso que não estarei muito enganada se disser que o que muitos apreciaram foi também a possibilidade de convívio nos bastidores, a oportunidade de estarmos todos juntos, não só os velhos amigos, mas também ficarmos a conhecer pessoas que apenas conhecíamos de nome ou pela net, pessoas afastadas geograficamente. E o Fórum Fantástico juntou todos nesta oportunidade única de divulgação da literatura fantástica. E única porquê? Não só porque, nós portugueses, ficámos a conhecer-nos melhor uns aos outros, mas porque tivemos a oportunidade de conviver com alguns escritores e académicos estrangeiros muito especiais, já com um currículo e experiência admiráveis, e que foram de uma enorme simpatia.

Há muito mais para dizer ainda nas próximas semanas (não se admirem com a lentidão, estamos estafados e o Rogério sofreu muito mais, tendo sido realmente incansável). Mas esperamos agora continuar as discussões que ficaram em aberto, desenvolver projectos que ainda estão por concretizar, estimular os contactos entre editoras, críticos e autores. Em suma, estabelecer as pontes de comunicação. Muito em breve, um relatório mais completo será apresentado para os nossos leitores.

Um agradecimento muito especial a todos os escritores, professores, comunicadores, editores, vendedores da feira temática, à equipa da Biblioteca Orlando Ribeiro que foi realmente impecável, e sem a qual não teria sido possível correr tão bem quanto correu, aos nossos amigos e família que nos apoiaram, a todos os presentes e, por fim, a todos os que colaboraram connosco ao longo de 1 ano e meio de preparação do Fórum Fantástico 2005 e espero voltarmo-nos a reunir na próxima convenção. Mentiria se dissesse que correu tudo que nem um mar de rosas, mas da minha parte, considerei um triunfo e uma prova de força do que realmente é possível fazer com uma boa dose de empenho.

Uma vez que gostaríamos muito de receber feedback sobre o FF, agradecíamos àqueles que estiveram presentes que utilizassem o espaço dos comentários, ou então enviassem mail, para dizerem da vossa justiça. O que falhou, o que poderia ter corrido melhor, o que correu muito bem. Estamos abertos a críticas e sugestões.

Read Full Post »

Estatutos Online

ÉPICA

 

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA

DO FANTÁSTICO NAS ARTES

 

ESTATUTOS

 

 

 

Capítulo I

Disposições Gerais

 

 

Artigo 1º

(Denominação)

 

A presente associação, de carácter cultural e sem fins lucrativos, adoptará a designação de ÉPICA – ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DO FANTÁSTICO NAS ARTES, doravante designada por ÉPICA.

 

Artigo 2º

(Regime jurídico)

 

A ÉPICA rege-se pelas leis em vigor, pelas normas a que ficar vinculada pela sua filiação em organismos internacionais, pelo presente Estatuto e respectivos regulamentos.

 

Artigo 3º

(Fins)

 

1. Constituem atribuições da ÉPICA a definição de valores e objectivos de promoção e divulgação de actividades culturais, no âmbito do Fantástico, em todas as suas vertentes e manifestações.

 

2. A ÉPICA prossegue, nomeadamente, os seguintes fins:

 

a) Promover e divulgar o estudo do Fantástico, organizando colóquios, cursos, workshops, conferências, ciclos cinematográficos, exposições, tertúlias e qualquer outra actividade que vise primariamente um maior aprofundamento da cultura do Fantástico nas Artes;

b) Difundir e incentivar a colecção e publicação de obras do Fantástico, a produção de um maior número de obras nacionais e a tradução e divulgação de obras internacionais;

c) Contribuir, no âmbito da divulgação do Fantástico, para a definição de critérios de qualidade para a criação, publicação e divulgação de obras na área do Fantástico, assim como incentivar a criação de uma actividade crítica educada e esclarecida;

d) Representar os interesses dos seus filiados perante terceiros;

e) Estimular a constituição e apoiar o funcionamento de clubes e agrupamentos que partilhem do mesmo objecto estatutário;

f) Prestar apoio técnico, humano e financeiro aos seus associados, dentro dos limites definidos em Assembleia-geral, e quando tal se mostre adequado ao prosseguimento do seu objecto;

g) Estabelecer relações com outras Associações estrangeiras e internacionais com o mesmo, ou idêntico, objecto;

h) Organizar Encontros de âmbito nacional,adequados à expansão e desenvolvimento do Fantástico nas Artes;

i) Criar Prémios para as várias categorias e modalidades do Fantástico e atribuir os respectivos títulos;

j) Defender a prática e o exercício de critérios de qualidade na produção de arte fantástica, apoiando autores, editores, críticos e ensaístas.

k) Promover e apoiar a criação de edições nacionais (amadoras e profissionais), de trabalhos de reconhecido mérito, originais ou traduzidos, de ficção ou não-ficção;

l) Apoiar as demais iniciativas dos associados que, submetidos a apreciação da Direcção, se mostrem conformes com os objectivos estatutários.

 

3. Para a realização dos seus objectivos, a ÉPICA procederá, designada­mente, à realização de cursos, conferências e reuniões de estudo sobre assuntos de relevo para o Fantástico nas Artes; criação de comissões e grupos de trabalho dedicados à divulgação e promoção do Fantástico nas Artes; promoção da colecção e publicação de criadores nacionais e estrangeiros; estabelecer ligações com associações congéneres, nacionais e estrangeiras; realização ou colaboração em espectáculos culturais, ciclos de cinema, sessões de leitura, divulgação ou autógrafos; organização e manutenção de um acervo bibliográfico e videográfico especializado.

 

Artigo 4º

(Princípios de organização e funcionamento)

 

1. A ÉPICA organiza e prossegue a sua actividade, no respeito dos princípios da liberdade, democraticidade e representatividade.

2. A ÉPICA é independente do Estado, dos partidos políticos e das instituições religiosas.

 

Artigo 5º

(Estrutura territorial)

 

1. A ÉPICA desenvolve as suas actividades e exerce as suas competências em todo o território nacional.

2. As normas que determinam as relações entre a ÉPICA e outras associações congéneres, clubes e outros agentes culturais, são as que resultam da lei, do presente Estatuto e respectivos regulamentos.

 

Artigo 6º

(Sede)

 

A ÉPICA tem a sua sede na freguesia de S. Jorge de Arroios, concelho de Lisboa, podendo constituir núcleos ou representações em qualquer ponto do território nacional.

 

Artigo 7º

(Logótipo)

 

O logótipo da ÉPICA será aquele cujo modelo e descrição constam do anexo do presente Estatuto.

 

 

Capítulo II

Dos sócios

 

Secção I

Disposições Gerais

 

 

Artigo 8º

(Sócios)

 

São sócios da ÉPICA:

a) Os sócios ordinários;

b) Os sócios fundadores;

c) Os sócios estudantes;

d) Os sócios honorários.

 

Artigo 9º

(Sócios ordinários)

 

Poderão ser sócios ordinários da ÉPICA todas as pessoas individuais que solicitem a sua filiação em requerimento dirigido à Direcção e sejam por esta admitidos.

 

Artigo 10º

 

(Sócios fundadores)

 

São sócios fundadores aqueles que participaram nos trabalhos preparatórios de constituição da ÉPICA, a saber:

 

i) Rogério Ribeiro;

ii) Safaa Dib;

iii)            Luís Rodrigues;

iv)             Isabel Penteado;

v)               João Seixas;

vi)             João Barreiros;

vii)           Luís Filipe Silva;

viii)         João Ventura;

ix)             Bruno Jacinto;

x)               João Cristovão;

xi)             Pedro Marvão;

xii)           Phillip Moringer.

 

Artigo 11º

(sócios estudantes)

 

Serão sócios estudantes da ÉPICA todos os que solicitem a sua filiação em requerimento dirigido à Direcção, apresentado as provas documentais que sejam exigidas, e sejam por esta admitidos.

 

Artigo 12º

(sócios honorários)

 

São sócios honorários as pessoas singulares ou colectivas julgadas merecedoras desta distinção pelos serviços relevantes prestados ao estudo e divulgação do Fantástico nas Artes e que sejam, como tal, reconhecidos em Assembleia-Geral, por proposta da Direcção.

 

Secção II

Aquisição e perda da qualidade de sócio

 

 

Artigo 13º

(Aquisição da qualidade de sócio)

 

1. Pode adquirir a qualidade de sócio da ÉPICA, qualquer pessoa singular que preencha os requisitos previstos nestes estatutos ou nos regulamentos internos.

 

2. A aquisição do estatuto de sócio ficará dependente de aprovação da Direcção, a qual deverá deliberar no prazo máximo de uma semana após recebimento do requerimento.

 

3. A candidatura deverá ser instruída com os seguintes documentos:

 

a)     Fotocópia do Bilhete de Identidade;

b)     Ficha de candidatura, devidamente preenchida;

c)     Os pretendentes a sócio estudante deverão apresentar documento que sirva de prova à condição requerida.

 

4. O requerimento deverá ser acompanhado do pagamento da primeira quota, correspondente à categoria em que se queira filiar. Tal valor será prontamente devolvido caso o requerimento não seja aceite.

 

Artigo 14º

(Perda da qualidade de sócio)

 

1. A qualidade de sócio da ÉPICA cessa por manifestação de vontade nesse sentido, prestada por escrito perante a Direcção, ou por morte ou extinção da entidade.

 

2. A qualidade de sócio da ÉPICA cessa ainda por efeito da aplicação de pena disciplinar com esse conteúdo.

 

3. Perde ainda a qualidade de sócio quem deixe de efectuar o pagamento da quota anual pelo período de dois anos consecutivos e que, notificado por carta registada com aviso de recepção para o fazer, não efectuar o pagamento em dívida no prazo de 10 dias;

 

4. Perdem também a qualidade de sócio aquele de quem a ÉPICA seja credora há mais de dois anos e que não liquide aquele crédito no prazo de 10 dias após ser notificado para o fazer, nos termos do número anterior.

 

 

Secção III

Direitos e deveres

 

 

Artigo 15º

(Direitos dos sócios ordinários e estudantes)

 

Constituem direito dos sócios ordinários e estudantes:

 

a) Possuir cartão de sócio;

b) Integrar a Assembleia-Geral;

c) Participar nos actos eleitorais dos titulares dos órgãos associativos;

d) Participar nos eventos organizados pela ÉPICA, de harmonia com os respectivos regulamentos;

e) Propor, por escrito, à Assembleia-Geral ou à Direcção, as medidas julgadas úteis e adequadas ao desenvolvimento e prestígio do Fantástico nas Artes, incluindo alterações ao Estatuto ou aos Regulamentos;

f) Examinar nas instalações da ÉPICA as contas da sua gerência;

g) Receber os relatórios anuais e outros informativos da ÉPICA.

h) Ter acesso, com desconto, às demais publicações da ÉPICA e a iniciativas por ela organizadas onde existam taxas de inscrição.

i) Usufruir dos descontos estabelecidos pela Direcção ou negociados com entidades terceiras;

f) Requerer, por escrito, a convocação da Assembleia-Geral extraordi­nária, nos termos do nº 2 do artigo 50º;

j) Todos os outros que lhes sejam atribuídos por este Estatuto, pelos Regulamentos ou por deliberação da Assembleia-Geral da ÉPICA.

 

Artigo 16º

(Direitos dos sócios fundadores)

 

Constituem direito dos sócios fundadores:

 

a) Possuir cartão de sócio;

b) A isenção do pagamento de quotas;

c) Integrar a Assembleia-Geral;

d) Participar nos actos eleitorais dos titulares dos órgãos associativos;

e) Participar nos eventos organizados pela ÉPICA, de harmonia com os respectivos regulamentos;

f) Propor, por escrito, à Assembleia-Geral ou à Direcção, as medidas julgadas úteis e adequadas ao desenvolvimento e prestígio do Fantástico nas Artes, incluindo alterações ao Estatuto ou aos Regulamentos;

g) Examinar nas instalações da ÉPICA as contas da sua gerência;

h) Receber os relatórios anuais e outros informativos da ÉPICA.

i) Ter acesso, com desconto, às demais publicações da ÉPICA e a iniciativas por ela organizadas onde existam taxas de inscrição.

j) Usufruir dos descontos estabelecidos pela Direcção ou negociados com entidades terceiras;

k) Requerer, por escrito, a convocação da Assembleia-Geral extraordi­nária, nos termos do nº 2 do artigo 50º;

l) Todos os outros que lhes sejam atribuídos por este Estatuto, pelos Regulamentos ou por deliberação da Assembleia-Geral da ÉPICA.

 

Artigo 17º

(Direitos dos sócios honorários)

 

Constituem direitos dos sócios honorários:

 

a) Cartão de sócio e diploma comprovativos dessa qualidade;

b) A isenção do pagamento de quotas;

c) A participar nos eventos organizados pela ÉPICA, de harmonia com os respectivos regulamentos;

d) No caso de ser atribuído a sócio já constituído, manterá todos os direitos anteriormente atribuídos.

 

Artigo 18º

(Deveres dos sócios)

 

Constituem deveres gerais dos sócios:

 

a) Cumprir e fazer cumprir a lei, o presente Estatuto e os regulamentos e determinações da ÉPICA;

b) Pagar, dentro dos prazos regulamentares, as quotas referentes à sua categoria;

c) Contribuir para o desenvolvimento da ÉPICA e realização dos seus fins;

d) Quaisquer outros que lhe sejam atribuídos por este Estatuto, pelos Regulamentos ou por deliberação da Assembleia-Geral.

 

 

Capítulo III

Da organização.

 

Secção I

Disposições gerais

 

Subsecção I

Órgãos

 

 

 

Artigo 19º

(Órgãos)

 

1. Os fins da ÉPICA são realizados através dos seguintes órgãos:

 

a) Assembleia-Geral;

b) Direcção;

c) Conselho Fiscal;

 

2. Existem ainda dois órgãos consultivos, cujos membros são nomeados pela Direcção. A saber:

a)     Conselho Editorial;

b)     Conselho de Relações Internacionais.

 

Artigo 20º

(Posse)

 

Cumpre ao Presidente da Mesa da Assembleia-Geral dar posse aos membros dos órgãos associativos, no prazo máximo de quinze dias após a sua eleição.

 

Artigo 21º

(Primeira reunião)

 

A primeira reunião dos órgãos da ÉPICA, com excepção da Assembleia-Geral, realiza-se no prazo de oito dias após a tomada de posse dos seus membros e é convocada pelo respectivo presidente.

 

Artigo 22º

(Reuniões)

 

Sem prejuízo dos casos especiais previstos neste Estatuto, os órgãos da ÉPICA reúnem-se, ordinariamente, quando determinar o presente Estatuto e, extraordinariamente, por iniciativa do seu presidente ou a requerimento de um terço dos seus membros.

 

Artigo 23º

(Convocatórias)

 

1. As convocatórias para as reuniões dos órgãos devem ser notificadas com, pelo menos, oito dias de antecedência, acompanhadas da respectiva ordem de trabalhos.

 

2. São dispensadas as formalidades anteriores, se estiverem presentes todos os membros e desde que aceitem expressamente a omissão dessas formalidades.

 

Artigo 24º

(Quorum)

 

Sem prejuízo do expressamente exposto neste Estatuto, os órgãos da ÉPICA deliberam com a presença da maioria dos seus membros.

 

Artigo 25º

(Substituição)

 

No caso de ausência ou impedimento, o Presidente do órgão é substituído por um Vice-Presidente, se o houver, ou por vogal que indique.

 

Artigo 26º

(Votação)

 

1. As deliberações dos órgãos são tomadas por maioria simples, salvo quando o presente Estatuto exigir outra maioria.

 

2. Salvo o disposto em sentido contrário por este Estatuto, as votações são tomadas por votação nominal.

 

3. O direito à abstenção é suspenso em caso de se registar um empate. Se o empate se mantiver após a segunda votação, o Presidente do respectivo órgão, ou quem o substitui, tem voto de qualidade.

 

Artigo 27º

(Actas)

 

1. É sempre lavrada acta das reuniões de qualquer órgão colegial da ÉPICA, que deve ser assinada por todos os presentes ou, no caso da assembleia-geral, pelos membros da respectiva mesa.

2. As actas são registadas em livros próprios.

3. Os livros de actas serão previamente autenticados pelo Presidente da Mesa da Assembleia-Geral.

 

Artigo 28º

(Regimento)

 

1. Cada órgão da ÉPICA tem o seu próprio regimento que submeterá à homologação da Assembleia-Geral.

 

2. Carecem também da homologação prevista no número anterior quaisquer alterações aos regimentos.

 

 

Subsecção II

 

Titulares dos órgãos

 

 

Artigo 29º

(Duração do mandato)

 

É de cinco anos o período de duração do mandato dos membros dos órgãos da ÉPICA, sendo admitida a sua reeleição, sem limite de mandatos.

 

Artigo 30º

(Estatuto remuneratório)

 

Pelo desempenho das suas funções, os membros dos órgãos da ÉPICA só podem receber as gratificações ou subsídios que sejam fixados no Estatuto, nos regulamentos ou pela Assembleia-Geral.

 

Artigo 31º

(Cessação de funções)

 

Os membros dos órgãos da ÉPICA cessam as suas funções nos seguintes casos:

 

a) Termo do mandato;

b) Renúncia;

c) Perda do mandato.

 

Artigo 32º

(Termo do mandato)

 

Os membros dos órgãos mantêm-se em exercício de funções até à tomada de posse dos novos membros.

 

Artigo 33º

(Renúncia)

 

Os membros dos órgãos da ÉPICA podem renunciar ao mandato desde que o expressem de forma fundamentada, por escrito a enviar ao Presidente da Mesa da Assembleia-Geral.

 

Artigo 34º

(Perda do mandato)

 

1. Perdem o mandato os titulares dos órgãos associativos que:

 

a) Não cumpram as obrigações decorrentes do presente Estatuto e dos regulamentos;

b) Faltarem, injustificadamente, a três reuniões consecutivas ou seis alternadas;

c) Se coloquem em situação de incompatibilidade ou de inelegibilidade superveniente.

 

2. Compete ao Presidente do respectivo órgão apreciar e decidir sobre a justificação das faltas e, logo que o número de faltas atingido implique a perda do mandato, dar disso conhecimento ao Presidente da Mesa da Assembleia-Geral.

 

3. Da decisão de perda de mandato cabe recurso para a Assembleia-Geral.

 

Artigo 35º

(Vacatura)

 

1. No caso de vacatura do lugar de Presidente de qualquer órgão, o mesmo é preenchido por um Vice-Presidente, segundo a ordem de precedência na lista.

 

2. No caso de vacatura de um Vice-Presidente, este será substituído pelo primeiro vogal de acordo com a ordem de precedência na lista.

 

3. As vagas que se verificarem em qualquer órgão além das resultantes da aplicação do disposto nos números 1 e 2, serão preenchidas pelos suplentes, segundo a ordem de precedência na lista.

 

 

Subsecção III

Sistema eleitoral

 

 

Artigo 36º

(Eleição)

 

1. Os titulares dos órgãos da ÉPICA são eleitos, em listas únicas, mediante sufrágio directo e secreto.

 

2. Exceptuam-se os membros do Conselho Editorial e do Conselho de Relações Internacionais, nomeados directamente por convite da Direcção.

 

 

 

Artigo 37º

(Capacidade eleitoral passiva)

 

Sem prejuízo dos requisitos especificamente previstos neste Estatuto, são elegíveis para órgãos associativos, todos os cidadãos, maiores, não afectados por qualquer incapacidade de exercício, que não sejam devedores da associação, nem hajam sido punidos por infracção de natureza criminal, contra-ordenacional ou disciplinar em matéria de violência ou corrupção, até cinco anos após o cumprimento da sanção, nem tenham sido punidos por crimes praticados no exercício de cargos dirigentes em qualquer tipo de associação, bem como por crimes praticados contra o património destas, até cinco anos após o cumprimento da pena.

 

 

Artigo 38º

(apresentação de listas)

 

1. As listas a submeter à eleição devem ser subscritas por um número mínimo de 15 sócios ordinários ou fundadores.

 

2. As listas devem conter, além do número total de efectivos, um número total de suplentes não inferior a um terço do número total de efectivos.

 

3. Nenhum sócio pode subscrever a propositura em mais do que uma lista.

 

4. O mesmo candidato não pode concorrer em mais do que uma lista.

 

 

Artigo 39º

(Votação)

 

1. Considera-se eleita a lista que obtiver a maioria dos votos dos eleitores presentes.

 

2. Se no primeiro escrutínio nenhuma lista obtiver a maioria referida no número anterior, proceder-se à, de seguida, a novo escrutínio, mas apenas entre as duas listas mais votadas no primeiro, considerando-se eleita a que obtiver a maioria dos votos correspondentes aos eleitores presentes.

 

 

Secção II

Assembleia-Geral

 

Subsecção I

Natureza e competências

 

 

Artigo 40º

(Natureza)

 

A Assembleia-Geral é o órgão deliberativo da ÉPICA.

 

 

Artigo 41º

(Competência)

 

1. Compete, nomeadamente, à Assembleia-Geral:

 

a) Eleger e destituir a sua Mesa e os órgãos da ÉPICA, referidos nas alíneas a), b) e c) do artigo 18º destes Estatutos.

b) Apreciar, discutir e votar as alterações estatutárias;

c) Aprovar os regulamentos associativos;

d) Deliberar sobre a extinção da ÉPICA;

e) Apreciar, votar e aprovar o plano de actividades, o relatório, o balanço, o orçamento e os documentos de prestação de contas;

f) Fixar as quotas dos membros da associação;

g) Deliberar sobre a admissão de sócios honorários;

h) Conceder medalhas, galardões e louvores a pessoas singulares ou colectivas, que tenham prestado relevantes serviços à ÉPICA ou conduzindo de maneira excepcional o desenvolvimento do estudo e divulgação do Fantástico nas Artes a nível nacional.

l) Autorizar a aquisição, alienação ou oneração de bens imóveis;

m) Resolver, em definitivo, sobre a filiação da ÉPICA em organismos internacionais;

n) Deliberar sobre outros assuntos, nos casos em que a lei, o Estatuto ou os Regulamentos determinem a sua competência.

 

 

 

Subsecção II

Composição

 

 

Artigo 42º

(Composição)

 

1. Compõem a Assembleia-Geral todos os sócios da ÉPICA.

 

2. Um sócio pode fazer-se representar por meio de procuração notarialmente reconhecida ou, quando tenha informado de tal facto o Presidente da Mesa, por via de carta registada com aviso de recepção, com pelo menos três dias de antecedência, identificando o seu procurador, por procuração simples.

 

3. Cada sócio não poderá representar mais de três sócios.

 

 

 

Artigo 43º

(Participação)

 

Participam na Assembleia-Geral sem direito a voto:

 

a) Aqueles que para isso forem expressamente convidados;

b) Jornalistas, nos casos em que a sua presença seja autorizada pelo Presidente da Mesa.

 

 

Artigo 44º

(Representação)

 

Os sócios exercem o seu direito de voto de forma nominal, desde que tenham as quotas regularizadas ao dia do acto eleitoral.

 

 

Subsecção III

Funcionamento

 

 

Artigo 45º

(Mesa)

 

1. A Mesa da Assembleia-Geral é constituída por um Presidente, um Vice-Presidente e um Secretário.

 

2. Na falta do Presidente será este substituído pelo Vice-Presidente; e este, na sua falta, pelo Secretário.

 

3. Faltando dois elementos da mesa, serão os mesmos substituídos, por escolha da respectiva assembleia.

 

3. Das deliberações da Mesa, ou das decisões do seu Presidente no decurso das reuniões, que violem o regimento ou os Estatutos da Associação, pode haver recurso para a Assembleia-Geral, a interpor verbal e imediatamente por qualquer sócio ordinário.

 

 

Artigo 46º

(Presidente da Mesa)

 

1. Ao Presidente da Mesa compete a convocação das reuniões da Assembleia-Geral, a orientação, direcção e disciplina dos trabalhos, bem como exercer todas as demais funções que lhe sejam atribuídas pelo Estatuto, pelos Regulamentos, pelo Regimento da própria Assembleia-Geral e pelas deliberações desta.

 

2. Compete ainda ao presidente providenciar no sentido de, no prazo de oito dias, ser emitida circular a todos os sócios relatando as decisões tomadas na Assembleia-Geral.

 

Artigo 47º

(Secretário)

 

Ao secretário compete providenciar quanto ao expediente e elaboração das actas das reuniões e auxiliar o Presidente no exercício das suas funções.

 

Artigo 48º

(Local das reuniões)

 

As reuniões da Assembleia-Geral efectuam-se nas instalações da ÉPICA, salvo em caso de reconhecido interesse, definido pelo Presidente da Mesa, em que pode reunir em local diferente.

 

Artigo 49º

(Reuniões)

 

1. As reuniões da Assembleia-Geral são ordinárias e extraordinárias.

 

2. A Assembleia-Geral reúne, ordinariamente, duas vezes por ano e, extraordinariamente, por iniciativa do Presidente da Mesa, ou a requerimento do Presidente da Direcção ou de, pelo menos, um terço dos sócios ordinários.

 

3. A Assembleia-Geral reúne, ordinariamente, até quinze de Novembro, para aprovação do plano de actividades e do Orçamento, e até trinta e um de Março de cada ano, para apreciação, discussão e aprovação do relatório e contas.

 

Artigo 50º

(Convocatórias)

 

1. As reuniões da Assembleia-Geral são convocadas através de carta registada ou telecópia, enviada a todos os sócios, com pelo menos dez dias de antecedência, mencionando-se claramente, no aviso-convocatória, a hora, local e respectiva Ordem de Trabalhos.

 

2. A Assembleia-Geral destinada à eleição da respectiva mesa, da direcção e do conselho fiscal será convocada com, pelo menos, trinta dias de antece­dência e a convocatória fixará um prazo não inferior a quinze dias e não superior a vinte para a apresentação das candidaturas e dos respectivos programas ao Presidente da Mesa da Assembleia-Geral.

 

 

Artigo 51º

(Quorum)

 

A Assembleia-Geral não pode validamente funcionar em primeira convocatória sem a presença de, pelo menos, metade dos votos da Assembleia-Geral, podendo-se fazer meia hora depois, com qualquer número de votos.

 

 

Artigo 52º

(Deliberações)

 

1. Não se podem tomar quaisquer deliberações sobre matérias não constantes do aviso convocatório, salvo se estiverem presentes todos os sócios que compõem a Assembleia-Geral e estes aceitem expressamente discutir e votar a matéria em causa.

 

2. As deliberações que envolvam alterações estatutárias, destituição de qualquer órgão da ÉPICA, denominação e símbolos da ÉPICA têm que ser aprovadas por três quartos dos sócios presentes na Assembleia-Geral, com arredondamento por excesso.

 

3. A deliberação de extinção da ÉPICA exige uma votação igual ou superior a três quartos do total de sócios da ÉPICA, com arredondamento por excesso.

 

4. As restantes deliberações são tomadas por maioria dos votos ordinários presentes.

 

 

Artigo 53º

(Forma de votação)

 

As votações só se realizam por escrutínio secreto quando se trate de eleições, de matérias que digam directamente respeito a qualquer associado ou por deliberação da Assembleia-Geral.

 

Artigo 54º

(Actas)

 

1. De tudo o que ocorrer nas reuniões da Assembleia-Geral se lavrará uma acta que será assinada pela mesa, depois de aprovada na reunião seguinte, devendo para isso a respectiva minuta ser enviada previamente a todos os sócios ordinários.

 

2. No fim de cada reunião far-se-á constar de minuta assinada pela Mesa, o teor das deliberações tomadas e respectivas declarações de voto que sobre elas recaíram, bem como a menção dos resultados da votação. Esta minuta vale, para todos os efeitos, como acta até à aprovação desta pela Assembleia-Geral.

 

Artigo 55º

(Publicidade das reuniões)

 

As reuniões da Assembleia-Geral são reservadas às pessoas que, nos termos deste Estatuto, nelas podem participar, podendo, todavia, a Assembleia-Geral permitir a assistência de representantes dos órgãos de comunicação social, de quaisquer outras entidades ou de público.

 

 

Secção III

Presidente

 

Artigo 56º

(Funções)

 

O Presidente representa a ÉPICA, assegura o seu regular funcionamento e promove a colaboração entre os órgãos.

 

Artigo 57º

(Competência)

 

Compete, em especial, ao Presidente da ÉPICA:

 

a) Representar a ÉPICA junto da Administração Pública;

b) Representar a ÉPICA em juízo;

c) Representar a ÉPICA junto de organizações congéneres, nacionais, estrangeiras ou internacionais;

d) Assegurar a organização e o funcionamento dos serviços, bem como a escrituração dos livros, nos termos da lei;

e) Contratar e gerir o pessoal ao serviço da ÉPICA.

f) Assegurar a gestão corrente dos negócios federativos e o expediente;

g) Participar, quando o entenda conveniente, nas reuniões de quaisquer órgãos, podendo neles intervir na discussão, mas sem direito a voto.

h) Convocar extraordinariamente a Assembleia-Geral, podendo nela participar nos termos da alínea anterior.

 

 

Secção III

Direcção

 

Artigo 58º

(Natureza)

 

A Direcção é o órgão colegial de administração da ÉPICA e será constituída por um número impar de membros, num mínimo de três e máximo de sete.

 

 

Artigo 59º

(Competência)

 

Compete à Direcção praticar todos os actos de gestão e administração da ÉPICA, com ressalva da competência dos outros órgãos, e em especial:

 

a) Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto, os Regulamentos e as deliberações dos órgãos da ÉPICA.

b) Garantir a efectivação dos direitos e deveres dos associados;

c) Administrar os fundos da ÉPICA.

d) Propor à Assembleia-Geral a admissão de sócios honorários e a concessão de medalhas ou outras honrarias;

e) Conceder louvores;

f) Elaborar propostas de alteração do Estatuto e Regulamentos;

g) Decidir provisoriamente sobre a filiação da ÉPICA em organismos internacionais;

h) Elaborar, com a colaboração dos restantes órgãos, o plano anual de actividades;

i) Elaborar anualmente e submeter a parecer do Conselho Fiscal a proposta de orçamento, o balanço e os documentos de prestação de contas;

j) Solicitar a convocação extraordinária da Assembleia-Geral, nos termos do nº2 do artigo 50º dos presentes Estatutos;

k) Celebrar Acordos, Contratos e Protocolos com outras Associações ou entidades;

l) Aprovar a admissão dos sócios e determinar a exclu­são dos sócios que incorram na previsão dos números 2, 3 e 4 do artigo 14º dos presentes estatutos;

m) Nomear as comissões que repute necessárias ao bom desempenho das suas funções.

 

 

Artigo 60º

(Composição)

 

A Direcção é composta por um número ímpar de membros, no mínimo com:

 

a)     Presidente;

b)     Vice-Presidente (Secretário);

c)     Vice-Presidente para a Área Financeira (Tesoureiro);

 

 

Artigo 61º

(Reuniões)

 

A Direcção reunirá ordinariamente pelo menos uma vez em cada mês e, extraordinariamente, sempre que for convocada nos termos estatutários.

 

 

Artigo 62º

(Actos da ÉPICA)

 

A ÉPICA obriga-se em todos os actos pela mera assinatura do seu Presidente.

 

 

 

Secção IV

Conselho Fiscal

 

 

Artigo 63º

(Competência)

 

1. Compete ao Conselho Fiscal fiscalizar os actos de administração financeira da ÉPICA, bem como o cumprimento dos presentes Estatutos e das disposições legais aplicáveis.

 

2. Compete-lhe, em especial:

 

a) Examinar semestralmente as contas da ÉPICA, velando pelo cumprimento do orçamento e elaborar um relatório de que será imediatamente remetida cópia à Direcção da ÉPICA;

b) Emitir parecer sobre o orçamento, as alterações orçamentais, o balanço e os documentos de prestação de contas, analisando a licitude das despesas, a sua correspondência orçamental e a exactidão dos respectivos documentos;

c) Emitir parecer sobre quaisquer projectos de novos regulamentos ou propostas de alteração aos estatutos ou do Regulamento Interno da ÉPICA, quanto à matéria económico-financeira;

d) Acompanhar o funcionamento da ÉPICA, participando aos órgãos competentes as irregularidades de que tenha conhecimento;

e) Exercer as demais atribuições que lhes sejam conferidas pela lei e pelos Estatutos e Regulamentos da ÉPICA.

 

3. Os relatórios e pareceres referidos na alínea a) e b) do número anterior são obrigatoriamente submetidos anualmente à Assembleia-Geral da ÉPICA com o relatório e respectivas contas de gerência.

 

 

Artigo 64º

(Composição)

 

O Conselho Fiscal é composto por um Presidente e dois vogais.

 

 

Artigo 65º

(Reuniões)

 

O Conselho Fiscal reúne semestralmente e, sempre que necessário, por convocatória do respectivo Presidente ou de quem o substitua.

 

 

Secção V

Conselho Editorial

 

 

Artigo 66º

(Competência)

 

1. Ao Conselho Editorial compete:

 

a) Assessorar a Direcção quanto à definição dos critérios de qualidade artística/literária a vigorar na ÉPICA;

b) Emitir pareceres sempre que solicitados pela Direcção, quanto aos méritos artísticos e/ou literários de obras ou autores;

c) Emitir parecer, sempre que solicitado pela Direcção ou por sua própria iniciativa, quanto à definição da política de divulgação do Fantástico nas Artes, situação do mercado, tendências do género e oportunidades de intervenção no tecido cultural;

d) Dirigir, em termos de conteúdo editorial, as publicações da ÉPICA.

e) Assegurar serviços de representação literária.

 

§ – Entende-se por “publicações da ÉPICA”, para efeitos deste artigo, todos os escritos de carácter artístico, ensaístico ou crítico, não essencialmente informativos, que sejam publicados pela Associação ou por terceiros em parceria com a ÉPICA, incluindo revistas (periódicas ou eventuais), jornais, livros e compilações.

 

 

Artigo 67º

(Composição)

 

O Conselho Editorial, nomeado pela Direcção, é constituída por um número ímpar de membros, não inferior a três e não superior a sete, de reputada competência e experiência na Área do Fantástico, devendo sempre que possível abarcar Autores, Editores, Críticos, Ensaístas e fãs de reputado mérito, dos quais um será eleito Presidente.

 

 

Artigo 68º

(Deliberações)

 

1. Os membros do Conselho Editorial são independentes nas suas decisões.

 

2. As decisões do Conselho Editorial deverão ser obtidas por maioria de dois terços. Qualquer dos membros pode exercer o direito de veto.

 

Artigo 69º

(Reuniões)

 

O Conselho Editorial reúne, ordinariamente, uma vez por trimestre e, extraordinariamente, sempre que convocado pelo Presidente ou por quem o substitua, ou sempre que lhe seja requerido parecer ou decisão, nos termos das suas competências estatutárias.

 

 

Secção VI

Conselho de Relações Internacionais

 

 

Artigo 70º

(Competência)

 

1. Ao Conselho de Relações Internacionais compete:

 

a) Emitir pareceres quanto ao contacto com pessoas ou instituições estrangeiras;

b) Assessorar a Direcção quanto à sua representação em eventos no estrangeiro;

c) Emitir parecer, sempre que solicitado pela Direcção ou por sua própria iniciativa, quanto à definição da política de divulgação do Fantástico nas Artes, situação do mercado, tendências do género e oportunidades de intervenção no tecido cultural;

 

 

Artigo 71º

(Composição)

 

O Conselho de Relações Internacionais, nomeada pela Direcção, é constituída por um número ímpar de membros, não inferior a três e não superior a sete, de reputada competência e experiência na Área do Fantástico, devendo sempre que possível abarcar Autores, Editores, Críticos, Ensaístas e fãs de reputado mérito, dos quais um será eleito Presidente.

 

 

Artigo 72º

(Deliberações)

 

1. Os membros da Comissão de Relações Internacionais são independentes nas suas decisões.

 

2. As decisões da Comissão de Relações Internacionais deverão ser obtidas por maioria de dois terços.

 

Artigo 73º

(Reuniões)

 

O Conselho de Relações Internacionais reúne, ordinariamente, uma vez por trimestre e, extraordinariamente, sempre que convocado pelo Presidente ou por quem o substitua, ou sempre que lhe seja requerido parecer ou decisão, nos termos das suas competências estatutárias.

 

 

Capítulo VII

Património, regime orçamental e prestação de contas

 

 

Artigo 74º

(Património)

 

O património da ÉPICA é constituído pela universalidade dos seus direitos e obrigações.

 

 

Artigo 75º

(Receitas)

 

Constituem, entre outras, receitas da ÉPICA:

 

a) As quotizações dos sócios da ÉPICA;

b) Os recebimentos provenientes das taxas de inscrição nos eventos organizados pela ÉPICA;

c) O produto das multas, indemnizações e cauções ou preparos que revertam para a ÉPICA;

d) Os donativos e as subvenções;

e) As resultantes dos eventos organizados pela ÉPICA.

f) Os juros de valores depositados;

g) O produto da alienação de bens;

h) Os rendimentos de todos os valores patrimoniais;

i) Os rendimentos de contratos celebrados com quaisquer entidades privadas, bem como os provenientes de contratos-programa celebrados com a Administração Pública;

j) Quaisquer outras verbas que, por lei ou regulamentos, lhe sejam atribuídas.

 

Artigo 76º

(Despesas)

 

Constituem, entre outras, despesas da ÉPICA:

 

a) As efectuadas com a instalação e manutenção dos seus órgãos;

b) As efectuadas com a instalação e manutenção dos seus serviços;

c) As remunerações e gratificações a formadores, professores e demais técnicos e outros elementos dos conselhos nomeados pela Direcção ou envolvidos em actividades ao serviço da ÉPICA;

d) As realizadas por motivo das deslocações e representações a efectuar pelos membros dos órgãos, quando ao serviço da ÉPICA.

e) As resultantes das actividades culturais por ela promovida;

f) As resultantes da atribuição de prémios, medalhas, emblemas e outros troféus;

g) As resultantes do cumprimento de contratos, operações de crédito ou decisões judiciais;

h) As anuidades ou taxas de filiação nas congéneres internacionais;

i) Todos os gastos realizados de acordo com o Estatuto ou Regulamentos ou autorizados em Assembleia-Geral.

 

 

Artigo 77º

(Orçamento)

 

1. A Direcção elabora anualmente o Orçamento Ordinário da ÉPICA, submetendo-o à aprovação da Assembleia-Geral.

 

2. Todos os órgãos devem fornecer à Direcção, até trinta e um de Maio de cada ano, as suas previsões orçamentais de modo a poder ser analisado o seu cabimento no orçamento ordinário da ÉPICA.

 

3. Os orçamentos são divididos por capítulos, alíneas e números, de forma a evidenciar a natureza das fontes de receita e aplicação das despesas.

 

4. As receitas e as despesas são classificadas em Ordinárias e Extraordinárias.

 

5. O Orçamento deve respeitar o princípio do equilíbrio orçamental.

 

 

Artigo 78º

(Alterações orçamentais)

 

1. Uma vez aprovado, o Orçamento só pode ser alterado por meio de orçamentos suplementares, os quais carecem do parecer favorável do Conselho Fiscal.

 

2. Anualmente apenas podem ser elaborados dois orçamentos suplementares, os quais terão como contrapartidas novas receitas, saldos ou rubricas de despesas ou de gerências anteriores.

 

3. Os orçamentos ordinários e suplementares são executados com estrita fidelidade, só podendo ser transferidas verbas entre capítulos após parecer favorável do Conselho Fiscal.

Artigo 79º

(Registo)

 

Os actos de gestão da ÉPICA devem ser registados em livro próprio e comprovados por documentos devidamente legalizados, organizados e arquivados.

 

 

Artigo 80º

(Contabilidade)

 

A organização da contabilidade, respeitando as exigências de leis fiscais, deve conter as contas e fundos necessários, de molde a permitir o conhecimento claro e rápido do movimento dos valores da ÉPICA.

 

 

Capítulo VIII

Disposições Finais e Transitórias

 

 

Artigo 81º

(Duração)

 

A ÉPICA tem duração ilimitada.

 

 

Artigo 82º

(Ano social)

 

O ano social da ÉPICA corresponde ao ano civil.

 

 

Artigo 83º

(Regulamentos)

 

A actividade da ÉPICA, no respeito da lei e dos Estatutos, é ainda ordenada pelos regulamentos que se mostrem necessários.

 

 

 

Artigo 84º

(Regime disciplinar)

 

1. O poder disciplinar da ÉPICA exerce-se sobre todos os seus sócios.

 

2. O regime disciplinar, constante de regulamento próprio, define as infracções, determina as sanções e o processo aplicável.

 

 

Artigo 85º

(causas de extinção)

 

As causas de extinção da ÉPICA são as que resultam da lei e do Estatuto.

 

Artigo 86º

(Entrada em vigor do Estatuto)

 

O presente Estatuto entra em vigor no dia imediato à sua publicação.

Read Full Post »

O nome Sagan é geralmente reconhecido pela maioria das pessoas e vem inevitavelmente associado a ciência. De facto, Carl Sagan, astrónomo reputado, notabilizara-se pela apresentação do programa Cosmos e por vastas actividades no campo da astronomia e na exploração espacial, possuindo um talento especial para comunicar ciência.
Edenborn
Nick Sagan, filho de Carl Sagan, dispensa o nome do pai na medida em que construiu uma sólida carreira marcada pelo ambiente da Tecnologia e Ciência que sempre o acompanhou desde novo. Foi a sua voz a dizer as palavras, Hello from the children of planet Earth, que ficou gravada numa sonda espacial, sendo hoje o objecto humano mais distante do planeta Terra, no Universo.

Nick Sagan cedo tornou-se um escritor por mérito próprio, adaptando guiões de livros de Ficção Científica para Hollywood. Actualmente, é guionista de filmes, de séries de televisão e jogos de computador, estando incluído no seu curriculum vários episódios de Star Trek e a adaptação cinematográfica de A Wizard of Earthsea de Ursula Le Guin, entre outros.

Em 2002, estreou-se no romance com a publicação de IdlewildAmeaça Virtual, descrito como um thriller futurista e cybernoir, ao qual se seguiu EdenbornParaíso Virtual, agora lançado pela Editorial Presença.

Voltamos a entrar no universo hiperimaginativo do autor, num futuro mais do que hipotético, possível. Um vírus altamente mortífero, o Ep Negra, erradicou quase por completo a humanidade da face da Terra. E agora, dezoito anos após a hecatombe, recai sobre os ombros dos pouquíssimos sobreviventes a imensa responsabilidade de fazer renascer a espécie humana. Mas, nesta desesperada corrida contra a extinção, um perigo terrível volta a ameaçar a sobrevivência humana e o sucesso da missão só será garantido através da convergência dos esforços de todos. Mas serão eles capazes de ultrapassar as cicatrizes e os terrores do passado?

Na continuação do seu thriller pós-apocalíptico, Nick Sagan irá lançar Everfree (ainda sem título português definido) em 2006.

O autor estará presente no Fórum Fantástico 2005, numa apresentação do seu novo livro, dia 12 de Novembro, às 16h, no auditório da Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro, com o patrocínio da Fundação Luso-Americana, Editorial Presença e Épica.

Uma oportunidade única, a não perder.

Read Full Post »

The Historian

Elizabeth Kostova
The Historian

Read Full Post »

A Saída de Emergência, editora que nos últimos meses se tem vindo a destacar no panorama fantástico nacional, acaba de anunciar o lançamento de uma nova revista – Bang! – dedicada a literatura de aventura e fantástico.

Bang!

A publicação trimestral, que irá ter distribuição nacional, revela um conteúdo constituído por contos, escritos originalmente em português ou traduzidos, ensaios, resenhas, entrevistas, pré-publicações, entre outros artigos. É objectivo da revista contribuir para a divulgação do que se faz de melhor lá fora em ficção especulativa e incentivar a produção nacional, focando nomeadamente a qualidade.

Do alinhamento já apresentado por Luís Corte Real e Rogério Ribeiro, respectivamente, director e editor, o destaque vai para o artigo José Saramago: Nobel da Ficção Científica da autoria de Jorge Candeias e a pré-publicação de um dos contos de Salomão KaneA Mão Direita do Destino – por Robert E. Howard.

Os leitores poderão também ler entrevistas a David Soares, José Manuel Lopes e Fernando Ribeiro, vocalista dos Moonspell.

A apresentação do n.º 0 irá ser realizada no Fórum Fantástico, dia 10 de Novembro, pelas 15.30, pelo editor Rogério Ribeiro, estando nessa altura já disponível para venda, no local do evento.

PVP.: 3.90euros.

Read Full Post »